Correios abrem edital para expandir armários de entrega em SP e RJ

Correios abrem edital para expandir armários de entrega em SP e RJ

Digiqole ad

Os Correios abriram edital para expansão do serviço de locker, os armários de entrega localizados em locais de grande circulação que prometem agilizar o frete e beneficiar clientes do e-commerce que moram em áreas com restrição de entrega. A abertura da chamada vem após o sucesso do projeto-piloto da iniciativa, instalada em Paranoá, no Distrito Federal.

Por lá, o sistema vem funcionando desde o final de outubro para suprir a ausência de agências na cidade. Nestas primeiras semanas de uso, o sistema atendeu seis mil famílias, com o projeto devendo ganhar uma segunda unidade ainda neste mês de novembro, no Rio de Janeiro. Para 2021, a ideia é expandir a ideia para diversas cidades do país, com a instalação dos lockers em shoppings, rodoviárias, estações e demais locais de grande circulação de pessoas.

No edital, os Correios pedem o credenciamento de empresas interessadas em fornecer os armários e também toda a infraestrutura envolvida, como energia elétrica, limpeza, trâmites envolvendo os espaços físicos para instalação e manutenção de telas, portas e demais elementos. A ideia é realizar a seleção e já trabalhar na expansão no ano que vem, em todo o Brasil, ao lado das operações da própria estatal que, também, já preveem a instalação de mais de 60 lockers nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

O sistema funciona ao lado da plataforma de rastreio de encomendas registradas. Ao visitar o site dos Correios ou usar o app da estatal, o usuário tem acesso aos dados e CEP do armário inteligente mais próximo e deve inserir estas informações na hora da compra, juntamente com o próprio CPF e número de celular. Um SMS é enviado quando a encomenda é entregue em um armário, com o código de acesso para que ele possa ir até o local fazer a retirada em até três dias corridos, sem custo adicional.

Os lockers dos Correios têm 40 portas de diferentes tamanhos, de forma a comportar pacotes variados. Para a estatal, o projeto se une a outros que promovem a acessibilidade e a inclusão de comunidades nas quais as entregas são mais difíceis, como a retirada de objetos nas próprias agências e as caixas colocadas em grandes condomínios como forma de unificar as entregas para um mesmo local.

Artigos relacionados

Deixa um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *