VLI inova com meteorologia portuária e é autossuficiente em informações climáticas

Araguari_MG, 29 de abril de 2014Corporativo / VLIProducao de banco de imagens para a VLI, empresa de logistica que integra ferrovias, portos e terminais com ativos proprios e de terceiros. Imagens produzidas na oficina de Divinópolis.Foto: GUSTAVO ANDRADE / Divulgacao

VLI inova com meteorologia portuária e é autossuficiente em informações climáticas

Digiqole ad

Para otimizar suas atividades no Terminal Integrador Portuário Luiz Antonio Mesquita (Tiplam), mesmo em condições climáticas adversas, a VLI – companhia de soluções logísticas que opera terminais, ferrovias e portos – implantou na unidade, localizada na Baixada Santista, uma plataforma tecnológica pioneira para nowcasting (previsão do tempo de curtíssimo prazo). O objetivo é diminuir o tempo de parada dos navios no porto, garantindo um carregamento rápido e seguro, além de reduzir o risco de comprometimento da carga. Com um radar meteorológico compacto Banda X no Monte Serrat, a sete quilômetros do Tiplam, para monitorar a chuva em tempo real e fazer uma projeção de onde essa precipitação estaria em 10, 20 ou 30 minutos, a empresa consegue fazer um planejamento minucioso de parada dos navios. A ideia surgiu em 2019 e foi implantada em 2020.

O especialista em Transformação Digital da VLI, Luciano Gonçalves Pereira, explica que, antes dessa iniciativa, tudo era feito a partir da percepção humana. “O comandante olhava para o céu e, se percebesse que haveria chuva, mandava fechar o porão. Enquanto ele não tinha a certeza ou a indicação de que não ia chover mais, não autorizava a abertura do porão e, nesse período todo, ficávamos sem operar, sem carregar. Isso reduzia nossa produtividade”.

De acordo com ele, foi feita uma análise desse tempo total de chuva na região e o tempo total de paradas em função de chuva ou do risco de chuva. “Em 2017 detectamos que em 72% do tempo parado não choveu. No ano seguinte, não houve chuva em 68% do tempo sem operação. Ou seja, de 100 horas de chuva parados, teoricamente por chuva ou risco de chuva, em 70% não chovia e não operávamos apenas pelo risco”.

Luciano Pereira explica que a chuva impacta a operação independente da época do ano e não dá para confiar apenas nas previsões geradas por modelos matemáticos. “O comandante do navio é responsável pelo fechamento ou abertura do porão do navio. E se esse produto receber chuva, pode ficar queimado, mofado, fermentado ou germinado. Isso tudo causa perda e prejuízos. Pensamos então em uma solução que atendesse nossa necessidade”, ressalta.

Resultados

A meteorologia portuária ajudou a melhorar a produtividade no Tiplam. Conforme o especialista em transformação digital da VLI, no primeiro mês de utilização da ferramenta, a companhia conseguiu operar sete horas sob risco de chuva, ou seja, apoiada pela solução. Em dezembro de 2020, foram 188 horas de operação sob risco de chuva.

Neste ano, o tempo de operação sob risco de chuva foi de 404 horas. Em fevereiro e março de 2020 foram 173 horas de chuva efetiva com 917 horas parados e, em 2021, foram 202 horas de chuva efetiva, com 548 horas parados. Isso significa uma redução de 40% no impacto por chuva, mesmo em um ano com mais precipitação.

Riscos evitados

Todo navio que chega no porto recebe um port guide, que explica as regras do porto, normas de segurança, equipamentos de operação, entre outras informações. Agora, nele consta também que o Tiplam utiliza um radar meteorológico para definir o tempo de início e de parada das operações. Treinada, a equipe do CCO mostrou aos comandantes e inspetores de bordo como a ferramenta funcionava, os princípios básicos das previsões e os tipos de informação que ela proporciona.

Conforme Luciano Pereira, todos fazem o alerta sobre a chuva e tomam a decisão de aproveitar o tempo parado. “Nenhum navio recusou a operação baseado no uso do radar. É um benefício para a VLI e para o cliente. O principal ganho é um carregamento mais rápido, com segurança, sem impactar a qualidade do produto”, pontua.

A inovação conta ainda com detecção e projeção de chuva com base em dados do radar meteorológico; imagens de satélite para auxiliar nas análises climáticas e visualização de descargas elétricas; previsão de temperaturas para as próximas 24 horas; previsão da direção e velocidade dos ventos; e informações de altura de ondas de swell, que atrapalha a entrada e saída de navios no canal. “Com essa previsão, conseguimos parar com antecedência e evitar riscos de acidentes”, explica.

A VLI

A VLI tem o compromisso de apoiar a transformação da logística no país, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). Escolhida como uma das 150 melhores empresas para trabalhar pela revista Você S/A, a VLI também foi eleita a mais inovadora empresa de transporte e logística, pelo Prêmio Valor Inovação Brasil 2020, e conquistou o 1º lugar na categoria Transporte e Logística das Melhores, da IstoÉ Dinheiro. A VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

Artigos relacionados

Deixa um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *