XXIV CNL termina e mostra logística como novo marketing

XXIV CNL termina e mostra logística como novo marketing

Digiqole ad

Um painel sobre ominicalidade, e novos modelos de negócios, encerrou a Intermodal Xperience, de 1 a 3.9.2021, que teve como conteúdo a XXIV Conferência Nacional de Logística da Associação Brasileira de Logística. No debate, que durou cerca de uma hora, a logística foi considerada como novo marketing, opinião de Marcel Alonso, diretor Sênior de Logística do iFood.

A qualificação é fácil de ser compreendida, pois logística é produto, serviço, preço, entrega, mercado, pessoas, mobilidade, além de logística ser na essência uma atividade em que é sempre meta atingir o estado da arte na geração de valor, na conquista do lucro, no seu oposto, que é a redução de custos, enfim, fazer as coisas irem e virem, inclusive o País, como se vê nesta pandemia.

“Novo perfil do consumidor, ominicanalidade e a influência na modelagem logística das organizações”, título do painel, foi mediado por Pedro Moreira, presidente da Abralog, que além de Marcel Alonso, do iFood, teve como debatedores Décio Sonohara, Diretor-executivo de Logística do Magalu, e André Almeida Prado, CEO da BBM Logística

O debate, de altíssimo nível, pode ser visto no canal da Intermodal Xperience no Youtube, mas segue um breve resumo de seus principais momentos.

Décio Sonohara informou que o Magalu já entrega pedidos em até uma hora em 50 grandes cidades e regiões metropolitanas, e ele acrescentou que esses centros representam 80% do PIB nacional. Entre as situações que estão na base dessa entrega em uma hora, além de tecnologia, Sonohara citou algumas: entregar a partir de estoque disponível em dark stores, lojas com espaço exclusivo para o armazenamento, separação e envio de produtos comercializados on-line, num raio de 3,5 e 5 km; remunerar muito bem os entregadores, afinal eles são o rosto de quem vendeu; além de treiná-los e torná-los comprometidos. Insistiu: o courier tem de ser bem remunerado.

O executivo da Magalu também deu sua opinião sobre um dos benefícios de se entregar em uma hora: a conversão de vendas aumenta na medida em que o prazo de entrega cai. Outra declaração de Sinohara – é muito precioso ter centro de inovação e qualidade dentro de casa. Mas também deve-se resolver dificuldades de forma rápida –se não tem uma solução eficiente, isso é uma oportunidade – vá ao mercado e adquira.

Falou também de um termo presente a todo momento no e-commerce, a escalabilidade. Vai ganhar o jogo, garantiu ele, quem mantiver performance tanto nos períodos de alta entrega, quanto nos de baixa. Por fim, sugeriu coragem no momento de falar com o cliente. Não o engane nunca: se houver problema, diga que houve um problema da empresa e que a entrega será feita no dia seguinte, por exemplo. E sempre procure dar veemência e força – não basta entregar, e pronto. Eu prometo entregar, sugeriu!

A BBM de André de Almeida Prado, meses atrás, encarou como oportunidade entrar, via aquisição, no competitivo mercado das entregas do comércio eletrônico. Adquiriu a Diálogo Logística e acrescentou receita e visibilidade ao vistoso portfólio da companhia. Outra ação do operador logístico, que está entre os cinco maiores do Brasil, é também manter em casa um potente centro de pesquisa e desenvolvimento. Para isso, montou equipes para criação e aplicação de modelos matemáticos.

Queremos, disse ele na ‘live’, é erguer uma plataforma digital end-to-end, da matéria prima ao consumidor final, e fazer isso a partir do conceito de ominicalidade. Ao mesmo tempo em que projeta o futuro com muita tecnologia e conhecimento, Almeida Prado está com um olho também no cenário próximo.

Como seria esse consumidor pós-pandemia, voltaria ao que era, em parte? Certezas ele indicou duas: uma, não adiante sair queimando o Caixa, e, segunda, há um trade off claríssimo pairando – equilibrar custo x prazos, achar o momento ótimo.

Marcel Alonso, o Diretor Sênior de Logística do iFood, que considera a logística o novo marketing, disse que sua empresa atingiu a marca extraordinária de 20 milhões de pedidos por mês. Para ele, o e-commerce está antecipando uma performance prevista só para 2030. Há 20 anos, na Europa, informou Alonso, iFood mantém, como se viu entre os outros debatedores, centros próprios de pesquisa e desenvolvimento – e da mesma forma que Magalu, confere importância ampla a sua esquadrilha de motoqueiros.

A empresa atingiu junto aos seus clientes e consumidores o índice 70 no NPS (Net Promoter Score), nível altíssimo segundo Marcel Alonso. O Net Promoter Score é uma métrica que mede a satisfação dos clientes.

Próxima meta da corrida contra o tempo, a que se propõe a iFood: reduzir, em média, o tempo de preparo da comida para 5′. Uma meta lógica para quem começou a fazer logística em dias, e hoje conta em minutos.

“Ao final da Xperience, a Abralog tem muito orgulho de ser o braço de conteúdo logístico da Informa Markets, pois a parceria permite elevar o nível, abrangência e divulgação da logística brasileira. Nesses três dias, falamos da logística como um todo, do que ela pode, o alto nível em que já está, e o que ainda há por fazer, pelas empresas e pelo próprio País”, disse Pedro Moreira.

  1. Além de mediar o debate, coube também à Associação Brasileira de Logística e ao presidente, participar ativamente na criação do formato e o fio condutor das mais de 35 apresentações, uma curadoria que durante três dias reuniu 66 palestrantes, keynote speakers, 37 painéis exclusivos e dois tours virtuais inéditos, somando mais de 30 horas de conteúdo produzidos pela Plataforma de Negócios Intermodal. Foi um show de logística, o grande evento do setor em 2021

Artigos relacionados

Deixa um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *