Plataforma de transporte pode aumentar em 35% o ganho dos produtores

Plataforma de transporte pode aumentar em 35% o ganho dos produtores

Digiqole ad

O transporte pelas estradas é o modal mais utilizado no País. Consequentemente, devido às condições das rodovias brasileiras, os custos logísticos representam 12,1% do PIB – segundo estudo realizado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPEAD/UFRJ) – e podem comprometer até metade do orçamento das transportadoras.

“A infraestrutura brasileira obriga os empresários brasileiros a gastarem R$4,4 bilhões a mais que os EUA. Assim, a logística no Brasil é excessivamente cara, principalmente pela falta de investimento na infraestrutura e no transporte. Por isso, é importante o gestor estar atento ao cálculo de suas despesas para que esse processo não seja oneroso”, afirma o empresário Valdécio Bombonatto, que – entre outros setores – atua na área de logística portuária.

Conforme estudos do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa, se o Brasil solucionasse os problemas no escoamento de produtos do agronegócio, produtores teriam um ganho 35% superior ao atual.

Evolução – Pensando neste mercado, empresários do setor portuário e do agronegócio  desenvolveram um sistema eletrônico de gestão e cotação de frete que oferece uma economia de até 30% nos custos com o transporte de cargas para em todo o Brasil.

A plataforma FastFrete possibilita a realização de leilões e a integração entre embarcadores e transportadoras – principais atores no cenário da logística brasileira. Ao todo, são mais de  200 transportadoras cadastradas na plataforma e 30 mil caminhões.

“O mercado de transportes e logística está atravessando uma rápida revolução tecnológica que veio conectar toda a cadeia, do motorista de caminhão aos transportadores e embarcadores, da indústria ao varejo”, conta o diretor comercial da FastFrete, João Bombonatto Neto.

Ele ressalta que, por meio da tecnologia, empresas e profissionais da estrada obtêm maior eficiência no planejamento das viagens e redução de custos.

O impulso das logtechs como reflexo da Covid-19 tende a ganhar ainda mais força na medida em que o modal rodoviário aumenta aceleradamente sua participação no mundo online. De acordo com a Confederação Nacional de Transportes, em 2019, o modal rodoviário representou 60% da participação no mercado.

Estudos apontam que o impacto econômico no setor logístico foi grande no início da pandemia com o fechamento de fronteiras e as restrições para circulação. No entanto, o transporte rodoviário – apesar das dificuldades enfrentadas pelos caminhoneiros com postos fechados e falta de infraestrutura nas estradas – conseguiu se manter ativo, garantindo a entrega de bens essenciais, como alimentos e insumos hospitalares. O comércio eletrônico explodiu e não enfrentou graves problemas de entrega mesmo durante os períodos de isolamento mais rígido.

O diretor operacional da Fastfrete,Paulo Henrique Tonello, ressalta que o uso da plataforma para transporte de cargas contribui para solucionar um dos vários gargalos logísticos – já que promove o “match” entre embarcadores e transportadoras – racionalizando viagens, evitando percursos em que o caminhão esteja rodando completo ou parcialmente vazio.

“Trazemos uma solução que também contribui para reduzir tempo no processo de importação até a chegada do produto ao campo. Outro benefício é a possibilidade de aproveitar o frete de retorno, evitando que os caminhões transitem vazios e rentabilizando a operação”, completa Paulo.

Segundo a NTC & Logística, o Brasil tem cerca de 2 milhões de caminhões em atividade com uma ociosidade de 60%, o que resulta num excesso de 300.000 caminhões nas estradas.

Novidade – O próximo passo da Fastfrete agora é lançar o aplicativo para o caminhoneiro.”Conectados, os caminhões trocam dados em tempo real com as transportadoras e entre si sobre riscos potenciais, como eventos meteorológicos, roubos, interrupções de rotas, motoristas com comportamentos de direção perigosa ou trechos com alto índice de acidentes”, menciona Paulo.

Outras funcionalidades estão em fase de implantação com a possibilidade de qualificar as transportadoras pelo nível do serviço prestado, a automatização do processo de documentação manual, gerenciamento de risco e banco digital para pagamento da carta-frete direto da plataforma.

Como funciona – Acesse: www.fastfrete.com.br  ou baixe o aplicativo FastFrete. Os usuários realizam o cadastro da carga a ser transportada e inserem os dados que serão utilizados pela plataforma para operacionalizar o leilão. As transportadoras recebem um aviso de cadastro do leilão por email e mensagem de texto, gerando um maior número de propostas feitas. Ao término do leilão, levará a carga o transportador com a proposta de menor valor de frete.

Além da praticidade, economia e agilidade, a FastFrete apresenta a opção de acompanhamento de todos os lances em tempo real, informações sobre a quantidade de cargas aprovadas fretadas por transportadoras e o custo de frete.

Artigos relacionados

Deixa um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *