Cachaça 51 se torna marca de alto renome, certificação especial do INPI

Cachaça 51 se torna marca de alto renome, certificação especial do INPI

Digiqole ad

Depois um processo de mais de seis anos, a fabricante de bebidas Cia. Müller conseguiu que sua marca de cachaça, a 51, fosse reconhecida pelo Instituto de Propriedade Industrial (INPI) como marca de alto renome. É a primeira bebida destilada a integrar a lista, que conta com muitas marcas do setor de alimentos e bebidas, como Sadia, Qualy e Dona Benta. Entre as cervejas, estão Kaiser, Skol, Brahma e Schin.

Uma marca de alto renome é aquela que é extremamente conhecida pelos consumidores e, ao entrar nessa lista, ganha proteção especial do INPI. Atualmente, são mais de 130 marcas que compõem esse grupo, como OMO, Havaianas, Coca-Cola, Petrobras e Fusca. A lista é composta por marcas brasileiras e estrangeiras.

Ao entrar na lista, uma marca terá proteção de registro em 45 segmentos, tanto de produtos como de serviços. Com o certificado de registro, a empresa se torna o proprietária de uma marca amparada pela Lei da Propriedade Industrial (Lei 9.279/ 96) e evitando cópias. Isso garante ao proprietário da marca exclusividade do uso, sem que nenhuma outra companhia de qualquer segmento possa usar o mesmo nome ou símbolo. Não poderá, por exemplo, haver uma loja de roupas com nome da 51.

O diretor superintendente da Cia Müller de Bebidas, José Aidar Neto, classificou a entrada na lista como uma “importante vitória”, já que a maioria das marcas que compõem este seleto grupo é de origem internacional e investe “bilhões em ações de marketing”. Ele acrescenta que a cachaça 51 é “um símbolo do orgulho nacional”.

A empresa diz que a cachaça é vendida em mais de 1 milhão de pontos de venda por todo o Brasil, além da operação própria de varejo on-line. Pelos dados da Cia. Müller, em média, a cada hora são consumidas mais de 350 mil doses de cachaça 51 em algum ponto do Brasil. As exportações chegam a 60 países, com destaque para Portugal, Espanha, Itália e Estados Unidos. Fonte: Valor Econômico

Artigos relacionados

Deixa um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *